Por volta de 1.755, procedente da então Vila de Alvinópolis, transferiu-se para a região o Padre Domingos de Araújo. Veio com cerca de 400 escravos africanos para apossar-se de certa gleba no local hoje denominado "Circuito".
Assegura a tradição ter existido naqueles idos, uma tribo de índios, contra os quais o Padre Domingos de Araújo teria usado o argumento definitivo de alguns tiros de Bacamarte, submetendo-os e escravisando-os.
Com o braço escravo, organizou o Padre uma grande fazenda, á qual deu o nome de "Fazenda Circuito".
Alguns anos mais tarde, já aumentada a população do local, teria grassado uma epidemia, com febres de origem e natureza desconhecidas; o Padre reuniu então a escravatura em ofícios religiosos, suplicando a Nossa Senhora da Saúde que os socorresse, naquela emergência, finalizando as orações com a promessa, à Virgem, de lhe construirem uma capela. Dirigiu-se o Padre ao Rio de Janeiro e, de lá, truxe, nas costas de um escravo, a imagem de Nossa Senhora da Saúde, entronizando-a na capela que os demais servos haviam construído no intervalo da viagem e confiando à Santa invocada o patronato da região.
Cessada a epidemia, voltou a prosperar a Fazenda que no futuro se constituiria, com sua capela, em núcleo inicial do povoado de "Nossa Senhora da Saúde".
118 anos após a chegada do Padre Domingos de Araújo, ou seja, em 1873, o povoado era elevado à categoria de distrito. No local onde se ergueu a primeira capela, sob a invocação de Nossa Senhora da Saúde, existe, a Igreja Matriz.
Em 1938 o então distrito de Saúde, teve seu topônimo modificado para Dom Silvério, em homenagem a Dom Silvério Gomes Pimenta, uma das glórias do Episcopado brasileiro e segundo Arcebispo da Arquidiocese.

Formação Administrativa

O distrito de Saúde foi criado pela Lei Provincial Nº 2.941 de 1º de dezembro de 1.873, confirmada a criação pela Lei Estadual Nº 2 de 14 de setembro de 1.891.
A Divisão Administrativa de 1.911 e os quadros de apuração do Recenseamento Geral de 1.920, apresentam o "Distrito de Saúde" como componente do municipio de Alvinópolis; tal situação é confirmada ainda em 1.923, pela Lei Estadual Nº 843 de 7 de setembro.
Ainda no quadro de Divisão Administrativa publicado no Boletim do Ministério do Trabalho, Indústria e Comércio, para o ano de 1.933, Saúde continua distrito do município de Alvinópolis, assim continuando nos quadros de 31 de dezembro de 1.936 e 1.937, bem como no anexo ao Decreto-Lei Estadual nº 88, de 30 de março de 1.938.
Por força do Decreto-Lei Estadual nº 148, de 17 de dezembro de 1.938, o distrito de Saúde teve seu topônimo modificado para Dom Silvério e, juntamente com o distrito de Sem-Peixe, desfalcado em parte de seu território, foi desmembrado do município de Alvinópolis para formar o novo Dom Silvério. Na divisão territorial vigorante em 1.939 a 1.943, estabelecida pelo Dec-lei nº 148, Dom Silvério abrange três distritos:O da sede, Sem-Peixe e Rio Doce, este último desanexado do município de Ponte Nova.
Em virtude do Dec-lei estadual nº 1.058, de 31 de dezembro de 1.943, Dom Silvério adquiriu, para seu Distrito Sede parte do distrito de Major Ezequiel, do município de Alvinópolis; perdeu o distrito de Rio Doce, transferido para o município de Ponte Nova e parte do território do distrito de Sem-Peixe, para o distrito de Ilhéus do Prata(São Domingos do Prata). Assim, na divisão territorial vigente em 1.944-1.948, fixada pelo citado Dec-lei nº 1.058, Dom Silvério ficou constituido pelos distritos de Dom Silvério, sede, e Sem-Peixe.
Com a Lei Nº 12.030 de 21 de dezembro de 1995, o distrito de Sem-Peixe foi emancipado.

Gentílico: Silveriense
 

Link
Comentários »